Carregando.
Aguarde.

menu

(11) 3091-4464

[email protected]

08/05/2017

HomeNoticiasProjeto vai avaliar impactos do zika no desenvolvimento infantil
HomeNoticiasProjeto vai avaliar impactos do zika no desenvolvimento infantil
Projeto vai avaliar impactos do zika no desenvolvimento infantil

Projeto vai avaliar impactos do zika no desenvolvimento infantil

USP participa de projeto interdisciplinar e multicêntrico para analisar os impactos do zika vírus na infância

Um projeto interdisciplinar trabalha na análise de crianças afetadas pelo zika vírus e como essas alterações afetam o desenvolvimento infantil e o contexto familiar. O estudo compara dois grupos de famílias de crianças nascidas entre julho de 2015 e agosto de 2016, período em que houve o surto do vírus no Brasil. A meta é identificar quais limitações são impostas devido à presença do zika e, também, limitações que são causadas por outros fatores, como o contexto familiar, social ou econômico.

O primeiro grupo é composto de 203 famílias de crianças que apresentam alterações associadas à epidemia do vírus. Já o segundo é formado por 100 famílias de crianças que não possuem nenhuma alteração causada pelo zika. As famílias serão acompanhadas até as crianças completarem 3 anos e meio de idade.

Uma das professoras responsáveis pelo estudo, Débora Falleiros de Mello, da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, é enfática ao afirmar que “o desenvolvimento infantil requer um ambiente de cuidado domiciliar, com estímulos adequados e positivos, encorajamento e suporte às famílias, para um impacto no desenvolvimento socioemocional e na aprendizagem das crianças, principalmente na primeira infância (até 5 anos de idade)”.

A professora afirma ainda que poderá ser analisado o cuidado dos familiares com a criança e descobrir até onde vai o conhecimento dessas famílias a respeito de tomadas de decisão e do desenvolvimento da criança na primeira infância, além das necessidades e expectativas quanto aos serviços e cuidados.

Liderado pela professora Darci Neves, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o projeto inclui oito pesquisadores e mais 20 membros, entre profissionais e alunos das áreas de medicina, enfermagem, psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, fonoaudiologia, saúde coletiva e do bacharelado interdisciplinar em saúde, da EERP, UFBA, Universidade Estadual Feira de Santana (UEFS), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). O trabalho também conta com parceria da professora Hannah Kuper, da London School of Hygiene and Tropical Medicine, no Reino Unido.

Financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o projeto Efeitos das manifestações neurológicas congênitas associadas ao zika vírus sobre o desenvolvimento cognitivo infantil: um estudo de coorte prospectiva no contexto da Atenção Básica, em Salvador-BA foi aprovado em novembro de 2016, com previsão de término para outubro de 2020.

Stella Arengheri, de Ribeirão Preto

Voltar