Carregando.
Aguarde.

menu

(11) 3091-4464

[email protected]

25/04/2016

HomeNoticiasCenários de expansão da malária na América do Sul até 2070
HomeNoticiasCenários de expansão da malária na América do Sul até 2070
Cenários de expansão da malária na América do Sul até 2070

Cenários de expansão da malária na América do Sul até 2070

Peter Moon | Agência FAPESP – O principal vetor de transmissão da malária na América do Sul é o mosquito da espécie Anopheles darlingi. Ele foi o responsável por praticamente 276 mil casos da doença registrados no Brasil em 2012, a maioria (99%) restrita à Amazônia. O A. darlingi é um inseto muito bem adaptado à vida na floresta amazônica, onde o regime de chuvas é abundante o ano todo e as temperaturas médias elevadas – embora com amplitude climática relativamente pequena, ou seja, com pouca variação entre as temperaturas do mês mais quente e as do mês mais frio do ano.

Ocorre que, devido às mudanças climáticas e ao aumento progressivo das temperaturas no planeta, a Amazônia pode passar por grandes mudanças. Nos próximos 50 anos, há o risco de a paisagem de floresta tropical ser substituída em boa parte pelo avanço do cerrado, onde o clima é mais quente e a amplitude climática bem maior.

Nestas futuras condições, o A. darlingi poderá desaparecer. Mas isso não significaria o fim da malária. Há na América do Sul nove espécies de mosquitos do Complexo Albitarsis. A maioria delas não se adapta bem ao ambiente amazônico. Preferem climas mais secos e quentes. Todas são transmissoras dos protozoários Plasmodium falciparum e P. vivax, os agentes causadores da doença. Das nove espécies, sete estão presentes no território brasileiro e poderão se tornar futuros vetores importantes de transmissão da malária, expandindo até 2070 a área de transmissão da doença.

Este é o alerta que o biólogo Gabriel Laporta, da Universidade Federal do ABC (UFABC), faz no artigo “Malaria vectors in South America: current and future scenarios”, publicado no periódico Parasites & Vectors. A pesquisa foi desenvolvida durante o pós-doutoramento de Laporta na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP),com apoio da FAPESP, e continua por meio de uma bolsa Apoio a Jovens Pesquisadores , no âmbito do Programa BIOTA.

Leia a reportagem completa em: http://agencia.fapesp.br/cenarios_de_expansao_da_malaria_na_america_do_sul_ate_2070/23081/

Voltar