Carregando.
Aguarde.

menu

(16) 3373-6757

[email protected]

28/04/2016

HomeNoticiasModelo matemático auxilia a planejar operação de reservatórios de água
HomeNoticiasModelo matemático auxilia a planejar operação de reservatórios de água
Modelo matemático auxilia a planejar operação de reservatórios de água

Modelo matemático auxilia a planejar operação de reservatórios de água

Elton Alisson | Agência FAPESP – Pesquisadores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas (FEC-Unicamp) desenvolveram novos modelos matemáticos e computacionais voltados a otimizar a gestão e a operação de sistemas complexos de suprimento hídrico e de energia elétrica, como os existentes no Brasil.

Os modelos, que começaram a ser desenvolvidos no início dos anos 2000, foram aprimorados por meio do Projeto Temático “HidroRisco: Tecnologias de gestão de riscos aplicadas a sistemas de suprimento hídrico e de energia elétrica”, realizado com apoio da FAPESP.

“A ideia é que os modelos matemáticos e computacionais que desenvolvemos possam auxiliar os gestores dos sistemas de distribuição e abastecimento de água e energia elétrica na tomada de decisões que têm enormes impactos sociais e econômicos, como a de decretar racionamento”, disse Paulo Sérgio Franco Barbosa, professor da FEC-Unicamp e coordenador do projeto, àAgência FAPESP.

De acordo com Barbosa, muitas das tecnologias utilizadas hoje nos setores hídrico e energético no Brasil para gerir a oferta e a demanda e os riscos de desabastecimento de água e energia em situações de eventos climáticos extremos, como estiagem severa, foram desenvolvidas na década de 1970, quando as cidades brasileiras eram menores e o país não dispunha de um sistema hídrico e hidroenergético tão complexo como o atual.

Por essas razões, segundo ele, esses sistemas de gestão apresentam falhas como não levar em conta a conexão entre as diferentes bacias e não estimar a ocorrência de eventos climáticos mais extremos do que os que já aconteceram no passado ao planejar a operação de um sistema de reservatórios e distribuição de água.

“Houve falha no dimensionamento da capacidade de abastecimento de água do reservatório Cantareira, por exemplo, porque não se imaginou que aconteceria uma seca pior do que a que atingiu a bacia em 1953 [ considerado o ano mais seco da história do reservatório antes de 2014”, afirmou Barbosa.

Leia a reportagem completa em: http://agencia.fapesp.br/modelo_matematico_auxilia_a_planejar_operacao_de_reservatorios_de_agua/23111/

Voltar